Visão de Spurgeon em relação aos Judeus e Israel

CHARLES SPURGEON ACREDITAVA NO REGRESSO E RESTAURAÇÃO DOS JUDEUS À TERRA DE ISRAEL

Um dos maiores pregadores evangélicos de sempre, o cognominado “príncipe dos pregadores” – Charles Haddon Spurgeon (1834 – 1892) considerado também um dosmaiores pregadores ingleses de sempre, já antecipava o retorno dos judeus à sua Terra e o seu controle político sobre a mesma. Isto pode parecer básico e elementar para nós que fazemos parte da geração que viu Israel “nascer num só dia”, mas para alguém que viveu num tempo – século 19 – em que tal ideia seria considerada absurda e ridícula, foi certamente necessário muito estudo e reflexão nas Sagradas Escrituras proféticas para chegar a tal conclusão. Sem dúvida que tudo aquilo que ele creu e ensinou foi fruto da revelação divina, para que muitos pudessem à sua semelhança ansiar pelo cumprimento dos grande sinais que precederiam o regresso do Messias ao Seu povo eleito. Mais ainda, passariam a aguardar ansiosamente o primeiro grande sinal a cumprir num futuro não muito longínquo: o regresso dos judeus à sua Terra e o estabelecimento do moderno estado de Israel.

QUEM FOI CHARLES SPURGEON

Charles Haddon Spurgeon foi um famosíssimo pregador baptista inglês (1834-1892), que iniciou o seu ministério pastoral aos 20 anos na New Park Street Church, em Londres, tendo a Igreja mudado para Exeter Hall devido ao rápido crescimento, e mais tarde para o Surrey Music Hall. O contínuo crescimento da congregação – cerca de 10 mil pessoas vinham regularmente escutar os seus sermões – levou-os em 1861 a mudarem permanentemente para o recém construído Metropolitan Tabernacle. Durante 40 anos Spurgeon foi pastor nesta Igreja, tornando-se assim num dos maiores pregadores de sempre. Calcula-se que durante a sua vida Spurgeon pregou a cerca de 10 milhões de pessoas, sendo os seus sermões escritos, publicados e distribuídos pelo mundo inteiro. Este cognominado “príncipe dos pregadores” dedicou também muito do seu tempo a escrever devocionais, comentários bíblicos, e obras teológicas, estando muitos desses livros ainda disponíveis e em circulação nos dias de hoje.

MULTIDÕES ACORRIAM PARA OUVIR SPURGEON PREGAR
Sendo muito mais do que um pregador, Spurgeon punha em prática aquilo que ensinava, tendo fundado escolas dominicais, igrejas, um orfanato, e um colégio pastoral. O pregador baptista editou ainda uma revista muito estimada na época. A profundidade, conhecimento bíblico e poderosa oratória de Spurgeon cativava e empolgava os ouvintes da época, mas ainda hoje ele é considerado como um dos maiores pensadores e escritores cristãos de sempre. As suas obras devocionais e teológicas continuam a alimentar ainda hoje a fé e o conhecimento de inúmeros cristãos pelo mundo fora.

SPURGEON E O REGRESSO DOS JUDEUS À TERRA DE ISRAEL
Algumas das afirmações de Spurgeon sobre esta matéria levam-nos certamente a uma ainda maior admiração por este homem que Deus usou como um grande profeta para o seu tempo.
Eis algumas das suas afirmações registadas dos seus sermões e dos seus escritos:
“É também certo que os judeus, como um povo, ainda possuirão Jesus de Nazaré, o Filho de David, como seu Rei, e que retornarão à sua própria terra, e ‘edificarão nos velhos lugares desolados, restaurarão as antigas desolações, e repararão as velhas cidades, as desolações de muitas gerações.”

SPURGEON EM PREGAÇÃO
No dia 16 de Junho de 1864, numa reunião especial na Igreja na qual foi pastor , o famoso Tabernáculo Metropolitano, e numa época em que pregava sistematicamente a uma audiência de mais de 10 mil pessoas, sem qualquer espécie de amplificação sonora (inexistente na época), Spurgeon pregou sobre “A restauração e conversão dos judeus”. No seu sermão ele proclamou várias afirmações importantes sobre o futuro do povo judeu. Primeiramente, ele acreditava que os judeus iriam regressar física e literalmente para habitar e ter controle político sobre a sua antiga terra. Ele afirmou o seguinte, nas suas próprias palavras:
“Haverá novamente um governo nativo; haverá novamente a forma de um corpo político; um estado será incorporado, e um rei irá reinar. Israel ficou agora alienada da sua própria terra. Seus filhos, ainda que nunca possam esquecer o sagrado pó da Palestina, morrem mesmo assim a uma desesperadora distância das suas sagradas orlas. Mas tal não será para sempre, pois que os seus filhos voltarão a regozijar-se nela: a sua terra chamar-se-à Beulá, pois assim como um jovem casa com uma virgem assim os seus filhos com ela se casarão. ‘Colocar-vos-ei na vossa própria terra,’ – é a promessa de Deus para eles…Eles haverão de ter uma prosperidade nacional que os tornará famosos; sim, tão gloriosos serão eles que o Egipto, Tiro, a Grécia e Roma esquecerão todos as suas glórias à luz do maior esplendor do trono de David…Assim sou bem claro e simples, o sentido literal e o significado desta passagem (Ezequiel 37:1-10) – um significado que não deve ser espiritualizado – tem de ser evidente de que tanto as duas como as dez tribos de Israel terão de ser trazidas à sua própria terra, e então um rei as governará.”

SPURGEON SOBRE A CONVERSÃO DOS JUDEUS
Spurgeon também acreditava que a conversão dos judeus viria através da pregação cristã por intermédio da Igreja e de outras organizações missionárias que Deus iria levantar para essa tarefa.
“Todas estas promessas implicam certamente que o povo de Israel deverá se converter a Deus, e que esta conversão será permanente, pois que o tabernáculo de Deus estará com eles, o Altíssimo terá de forma especial o Seu santuário no meio deles para sempre; assim, quaisquer nações que apostatarem e se voltarem para o Senhor naqueles dias, a nação de Israel nunca, pois que estará efectiva e permanentemente convertida, os corações dos pais se voltarão com os corações dos filhos para o Senhor seu Deus, e eles serão o povo de Deus, um mundo sem fim. Ansiamos então por estas duas coisas. Não vou fazer teorias sobre qual das duas virá primeiro, se eles serão primeiramente restaurados e convertidos depois, ou se convertidos primeiro e então restaurados. Eles serão restaurados e serão convertidos também. Que o Senhor envie estas bênçãos na Sua própria ordem, e nós ficaremos bem contentes com qualquer uma das formas que vier. Tomamos isto como nossa alegria e conforto, que tal irá acontecer, e que tanto no trono espiritual como no temporal o Rei Messias se sentará, e reinará gloriosamente entre o Seu povo.”
Na sua obra “The Church of Christ” (A Igreja de Cristo), Spurgeon afirma com convictamente:
“A hora está chegando, em que as tribos subirão ao seu próprio país. Quando a Judeia, por tanto tempo um deserto uivante, voltar a florescer como uma rosa; quando, se se o próprio templo não for restaurado, for mesmo assim erguido no monte Sião algum edifício cristão, quando os cânticos dos louvores solenes forem escutados como ecos dos velhos Salmos de David cantados no Tabernáculo…eu penso que não damos demasiada importância à restauração dos judeus. Não pensamos demasiado nesse assunto. Mas, certamente, se há alguma coisa prometida na Bíblia é isto mesmo. Eu imagino que não se pode ler a Bíblia sem que se veja claramente que há uma real restauração dos Filhos de Israel…porque quando os judeus forem restaurados, a plenitude dos gentios se completará; e mal eles retornem, Jesus descerá então gloriosamente sobre o Monte Sião com os Seus antigos e os prósperos dias do milénio raiarão então; conheceremos então todo o homem como irmão e amigo; Cristo reinará com um domínio universal.”

SPURGEON E A VINDA DO MESSIAS
Spurgeon via o lugar de Israel no Reino de Deus como um cumprimento claro das profecias:
“Se lermos correctamente as Escrituras, os judeus têm muito a ver com a história deste mundo: eles serão ajuntados; o Messias virá, o Messias que eles estão buscando – o mesmo Messias que veio uma vez voltará de novo – Ele virá da mesma forma que eles esperavam que Ele viesse da primeira vez. Eles pensavam então que Ele viria como um príncipe para reinar sobre eles, e assim será quando Ele voltar. Ele virá para ser o Rei dos judeus, e para reinar gloriosamente sobre o Seu povo; porque quando Ele voltar judeus e gentios terão privilégios iguais, embora vá haver alguma distinção conferida a essa família real da qual Jesus veio; porque Ele sentar-se-à no trono do Seu pai David, e a Ele se juntarão todas as nações.” (in The Leafless tree”)

RESUMINDO… Podemos então resumir as convicções do “príncipe dos pregadores” sobre a restauração de Israel na sua própria terra nestes pontos:
1. Israel como nação virá a ter fé em Cristo;
2. Israel terá uma identidade nacional e geo-política;
3. O sistema político será uma monarquia, “um rei irá reinar”;
4. Israel estará na Terra Prometida;
5. As fronteiras corresponderão às promessas feitas a Abraão e David;
6. Israel terá um lugar especial entre as nações no Reino milenar;
7. Contudo, Israel permanece espiritualmente parte da Igreja;
8. Haverá uma prosperidade nacional que causará a admiração do mundo;
9. As profecias do Velho Testamento não devem ser tratadas de forma não literal.

Pessoalmente, ao fazer esta pesquisa sobre as convicções deste grande pregador baptista, fui extremamente abençoado e motivado a dar graças a Deus por ter levantado no meio do Seu povo homens desta estatura espiritual e de tão profundo conhecimento e revelação bíblicos!
Shalom!

Fonte: http://shalom-israel-shalom.blogspot.pt/2012/12/charles-spurgeon-acreditava-no-regresso.html

Entendendo as palavras difíceis de Jesus Parte 3 “..não vim abolir a lei, mas cumprir” Mat 5:17

Entendendo as palavras difíceis de Jesus Parte 3 “..não vim abolir a lei, mas cumprir” Mat 5:17

Passei boa parte da minha vida ativamente participando de 2 denominações protestantes (Batista e Presbiteriana). Por ter um interesse peculiar nas sagradas escrituras alguns ANOS atrás me dediquei a estudar a raiz de minha fé, ou seja a língua hebraica. Certamente o Senhor criador é um D-us pessoal e por isso iniciou seu plano de salvação com um indivíduo que se tornou uma nação e abençoou todos os membros da raça humana com o advento da vida do Messias, salvador do povo judeu e dos gentios.

Descobri então que ao estudar a bíblia eu era fortemente influenciado por 2 milênios de tradição cristã e interpretações humanas dos “pais da igreja” fazendo com que meu raciocínio fosse exclusivamente Grego/Romano e tivesse uma perspectiva 100% Helenística da bíblia. Hoje ao aproximar-me da bíblia com uma perspectiva crescentemente  hebraica vejo que muitas das interpretações e doutrinas equivocadas ensinadas no mundo cristão protestante hoje é devido há anos de desentendimento entre a igreja e a sinagoga, muitos desses com conseqüências trágicas e até sangrentas. É de suma importância para uma interpretação saudável levar em conta que as culturas são diferentes, as formas de pensar, ver o mundo e D-us podem estar tão distante quanto o leste do oeste entre as culturas diversas. Por exemplo os Gregos estudavam afim de compreender, nos, os ocidentais, estudamos afim de  aplicarmos o conhecimento em coisas práticas, os hebreus estudavam afim de reverenciar. Reverência, temor e admiração vem por meio do estudo das escrituras que levam o indivíduo a obediência, então o estudo é a expressão maior de louvor que uma pessoa pode oferecer ao Senhor.

Ao lermos a bíblia é vital entendermos que seus escritores eram Judeus, raciocinavam em hebraico e transmitiram sua mensagem dentro desse contexto mesmo que para alguns deles como Paulo ao escrever suas cartas usava o grego como instrumento mas a linha de raciocínio era hebraica. Jesus e Paulo pertenciam a escola de pensamento dos fariseus cuja interpretação das escrituras era aceita pela maiorias dos seus contemporâneos e sem dúvida influenciou os autores dos evangelhos assim como Paulo.

É comumente afirmado entre cristãos protestantes o seguinte:

1- Uma nova aliança foi feita e a antiga já não tem significância, e não é a continuação da revelação da primeira aliança.

2 – Judaísmo é uma religião da lei e o cristianismo a religião da graça.

3 – Judaísmo ensina a ira do Senhor e o cristianismo ensina o amor do Senhor.

4 – Judaísmo a religião de um povo exclusivo, cristianismo a religião internacional.

5 – Judaísmo ensina que justiça é alcançada por meio de obras e cristianismo por meio da fé.

Resumindo, ensina-se que o D-us do velho testamento é para ser temido por sua ira e o do novo testamento como o D-us do amor. Parecem até dois D-uses distintos. Naturalmente algumas dessas afirmações não são explicitamente proclamadas nos púlpitos mas implicitamente é o que afirmam.

Na minha busca para entender essas diferenças descobri que tais não existem, o Judaísmo nunca foi uma religião baseada nas obras e sim na graça de D-us. Afinal, o que o povo judeu fez para merecer ser resgatado do Egito? Certamente que ao lermos o velho testamento nos confrontamos com passagens difíceis, por exemplo onde D-us instrui o povo a exterminar seus inimigos, incluindo mulheres, crianças e idosos.. são passagens extremamente difíceis de compreender mas não podemos descartar dezenas de outros livros e passagens só porque a nossa compreensão de algumas passagens são desafiadoras.

Jesus ao “pregar o evangelho” se referia diretamente ao velho testamento principalmente aos 5 primeiros livros que é chamado de Torá, ou Pentateuco  (livros de Moises). O livro que Jesus mais cita é Deuteronômio atestando a autenticidade e autoridade do mesmo, citando-o três vezes ao repelir as tentações de Satanás. (Mateus 4:1-11; Deuteronômio 6:13,16, 8:3). Também, Jesus respondeu à pergunta quanto a qual era o maior e o primeiro mandamento por citar Deuteronômio 6:5. (Marcos 12:30).

Paulo também cita Deuteronômio 30:12-14; 32:35, 36 (em Romanos 10:6-8 e Hebreus 10:30).

Hoje seriamos capazes de testificar o amor de D-us a alguém usando velho testamento? Certamente Jesus, Paulo e os apóstolos usados pelo espirito santo converteram multidões usando esse método.

Um dos versículos com interpretação equivocada que já testemunhei e o de Mateus 5:17. “Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir.”  – Nova versão internacional

Há aqueles que defendem que Jesus ao cumprir toda a lei mosaica (o Pentateuco ou Torá) Ele nos livrou do peso da lei e por isso não precisamos nos preocuparmos em obedece-la. Será que tal interpretação é valida? E o que dizer dos 10 mandamentos, que estão incluídos na lei?

Gostaria de propor uma análise na raíze do texto: Antes de tudo temos que considerar que evidências mostram que os evangelhos foram primeiramente escritos em Hebraico e depois traduzidos para o Grego, apesar de não termos os originais em Hebraicos hoje. Se tiver interesse nesse assunto indico a leitura do livro em Inglês (http://www.jerusalemperspective.com/products-page/ebooks/jesus-rabbi-and-lord/) Jesus Rabbi and Lord.

As três palavras fundamentais para entendermos essa declaração de Jesus são: Lei, abolir e cumprir.

LEI – diferente da conotação em português que é de algo obrigatório, pesado e punitivo, a palavra no hebraico (yarah) significa: instrução, retidão, vida, direção e ensino. A imagem é de uma flecha que é atirada em linha reta e acerta o alvo, sendo o alvo a vontade do Senhor. Então a “lei” nos ensina a andar corretamente a fim de obedecermos ao Senhor que amamos. O Salmista exclama no salmo 119:97  “Oh! Como eu amo a tua lei! Nela medito o dia inteiro.” Como ele pode amar a lei? Eu detesto a lei, ela me obriga a fazer coisas que não desejo. Mas se entendermos o contexto em que o salmista se expressa é fácil de compreender.

ABOLIR – no grego = Karalyõ – “interpretar incorretamente”. No hebraico = batel – abolir, cancelar e destruir. Portanto a pessoa cancela, destrói e abole quando se equivoca na interpretação do texto.

CUMPRIR – no grego = Pleroõ – se refere a interpretar a passagem corretamente. No hebraico = Kiyem – re-afirmar, apoiar, guardar, observar, celebrar. Tanto BATEL quanto KIYEM estão geralmente associadas ao contexto de interpretação das escrituras.

Como alguém pode observar a lei (as instruções) do Senhor se não compreender o que a lei requer dele(a)? Se houver algum equivoco na interpretação das escrituras, provavelmente não conseguira cumprir o mandamento do Senhor como e Seu intuito, ou em outras palavras – acertar o alvo, então a pessoa pode abolir “interpretar incorretamente” – cancelando o mandamento. Em contrapartida quando se compreende corretamente a intenção do Senhor em determinado mandamento então a pessoa consegue cumprir o mandamento ou Lei (Torá). Acerta o alvo!

Então o que Jesus está realmente dizendo é: “Não pensem que vim dar uma interpretação incorreta dos preceitos/ensinamentos ou dos Profetas; não vim para dar interpretação incorreta, mas sim para interpretar corretamente, re-afirmar, apoiar, guardar, observar e celebrar a Lei (Torá).”

Meu desejo é que através do estudo minucioso das escrituras no seu contexto cultural, lingüístico e espiritual possamos viver vidas frutíferas e maduras em reverencia ao Senhor.

A.S.A.

Mente Hebraica x Grego/Romana Parte 4

Continuação
 Queremos uma religião de utilidade. Queremos técnicas que podem ser aplicadas conforme cada situação que experimentamos. Nós vemos muito “técnica orientadas” na igreja hoje em dia, como: 3 passos para crescer espiritualmente, 10 mais de ter um bom relacionamento, etc…
 Queremos técnicas para a compreensão, sistematização e estruturação do “calendário profético” para que possamos saber “o que vai acontecer a seguir”. Algumas pessoas querem saber para que elas possam ter algo para comercializar a outros cristãos que também querem saber. Estes são os que procuram ganhar com a “piedade” ou religião (cf. I Timóteo 6:5). Buscamos  “técnicas cristãs” de cura interior, cura exterior,  prosperidade financeira, ou para receber poder espiritual. Esta maneira de pensar é alheia a mente hebraica.
Em nossa cultura, temos comercializado tudo, incluindo o cristianismo. Infelizmente não pregamos o Evangelho, curamos os enfermos, expulsamos os demônios e fazemos discípulos – muitos aplicam boa partes dos seus esforços vendendo parafernália “cristã” folhetos e bugigangas. Fazemos música, não para adorar a Deus, mas para vender CDs. Evangelistas são escolhidos para pregar porque “sabem atrair multidões”, o poder ministerial foi comercializado e politizado, tanto quanto a de políticos regulares. Editoras cristãs publicar livros de celebridades cristãos – não porque eles são bem escritos, ou porque dizem algo importante, mas porque eles vão vender e fazer dinheiro.
Nos dias em que o movimento de Jesus  era conhecido como a “seita dos nazarenos” (Atos 24:5,14), ser um “cristão” estava relacionado diretamente com sua proximidade com Deus e com o próximo (Mateus 22:36-38; João 13:34-35). Nos séculos posteriores entretanto demos menos importância aos relacionamentos e ao mesmo tempo intelectualizamos e politizamos a fé. Essas influências deletérias mudaram radicalmente a natureza da Igreja. O espírito anti-judaísmo e mais tarde o anti-semitismo destruiu a personalidade original da igreja em muitos aspectos. Isso explica por que é tão difícil para muitos entender a Bíblia como um todo, velho e novo Testamento em harmonia.
Surpreendentemente no meio cristão sabe-se muito pouco sobre os 4 primeiros séculos da historia da igreja, que era predominantemente composta de Judeus que continuavam a guardar o sábado e ir as sinagogas assim como Jesus o fez toda a sua vida. Nos seminários dá-se muita ênfase a historia da igreja depois do quarto século, período em que boa parte da sua essência fora corrompida por vários fatores históricos e culturais, um deles em destaque foi a “cristianização” do império romano por Constantino em 321 por intermédio do Édito de Constantino que determinou oficialmente o domingo como dia de “santo”, dia do deus sol (padroeiro de Constantino) venerado por povos pagãos desde o Egito antigo.
Para realmente entender o que significa ser um seguidor de Yeshua, (Jesus) deve-se voltar às raízes hebraicas de seu movimento, e dos documentos que agora se referem como “O Novo Testamento”.
FIM
Autor: Brian Knowles
Tradução: A S A

Lança o teu cuidado sobre o SENHOR, Salmos 55:22

Lança o teu cuidado sobre o SENHOR, e ele te susterá; não permitirá jamais que o justo seja abalado Salmos 55:22

“Lança teu fardo sobre Adonai”

Imagine que você está dirigirindo um carro ao longo de uma estrada e de repente percebe que os freios foram removidas do pedal de freio e as rodas foram desconectadas do volante. Em pânico, você aperta o pedal até o fundo e tenta virar o volante freneticamente sem nenhum sucesso com o carro totalmente fora de controle, a sua melhor chance seria  abrir a porta e saltar. No entanto, sem perceber que na verdade você perdeu o controle você ainda tentar mantê-lo na estrada e a cada minuto que passa sua vida está em perigo se não sair do mesmo.

Embora tais acontecimentos dramáticos felizmente não ocorrem todos os dias, devemos perceber que realmente não temos controle sobre muitas coisas em nossa vida. Tentar exercer controle onde não é possível só piora a situação, pois assim como no exemplo acima, a solução é entregar nossos anseios e dores a Adonai e descansar Nele. Qualquer outra alternativa será inútil.

Muitas pessoas tomam uma decisão que pesam ser apropriada e acompanham a mesma com uma oração para o sucesso, outros consideram a oração apenas como último recurso. Adonai ouve a oração de todos, independentemente das circunstâncias em que é dita. Independentemente da tua atitude, decisão-oração ou oração como último recurso, precisamos aprender que há muitas situações totalmente fora do nosso controle e o importante é ter a atitude correta em relação a mesma.

Podemos não gostar de enfrentar a realidade, mas negá-la é perigoso.

Autor: Abraham Twerski

Tradução: A S Assis

Mente Hebraica x Grego/Romana Parte 3

Continuação
Ao abordarmos as escrituras Hebraicas com nossa mente Grego-Romana que é altamente científica sem a devida  consideração podemos produzir distorções exegéticas grotescas. Ao tentar entender a cultura hebraica dos dias bíblicos assim como aqueles que viviam nesse tempo vamos experimentar um choque cultural devido a diferença cultural e visão do mundo, seus padrões de pensamento eram bastante distinta do nosso, seus valores e percepções eram radicalmente diferente. A Bíblia foi escrita em uma era pré-científica. A língua hebraica em si é bastante diferente do nosso em muitos aspectos infelizmente muito foi perdido na tradução.
       Quando estudamos as Escrituras, ou quando consideramos a natureza do início do Novo Testamento na comunidade messiânica, temos de levar em conta as diferenças entre o pensamento hebraico e helenístico. Intelectualmente, nós somos gregos, não hebreus. Nós aplicamos raciocínio baseado nas teorias de Aristóteles e Sócrates em quase tudo que analisamos, mesmo não tenho consciência, devido ao método de ensino que fomos submetidos toda a nossa vida através da cultura em que vivemos. É extremamente difícil se desvincular  desses padrões e entrar na mente hebraica. Temos uma certa insistência  em analisar tudo em padrões logicamente consistentes, em sistematizá-los, em organizá-los, teologias cuidadosamente fundamentadas. Não conseguimos conviver com inconsistência ou contradição confortavelmente. A Divindade tem que ser bem definida e estruturada rejeitamos a idéia hebraica de que D-us é simplesmente inefável, e que o Seu livro não se encaixa em nossa sistematização. Como Abraham Heschel escreveu: “Ao tentar sistematizar a Bíblia, que é cheia de vida, drama e tensão, a uma série de princípios seria como tentar reduzir uma pessoa viva a um diagrama” – Livro – D-us em Busca do Homem por Abraham Heschel, p. 20.
      A mente ocidental, quando procura compreender as Escrituras ou o que significa ser um “cristão”, cria seus próprios dilemas exegéticos e teológicos. (“Se D-us é todo-poderoso, poderia ele criar uma pedra tão pesada que não conseguiria levantar?” Ou “Se D-us é amor, então por que ele permite que o mal aconteça …?”) Incansavelmente tentamos organizar tudo em blocos gerenciáveis e estruturas intelectuais, queremos que todas as perguntas sejam respondidas, todos os problemas sejam resolvidos, e todas as contradições resolvidas.
Em nossa busca incessante de transformar as Escrituras em um livro sistematizado de respostas teológicas sobre D-us, acabamos distorcendo seu conteúdo. Procuramos entender o incompreensível, D-us; tentamos transformar o abstrato em concreto. Mas, “Para a mente judaica, o entendimento de D-us não é alcançado referindo-se dentro do modo grego de qualidades intemporais de um ser supremo, ou idéias de bondade e perfeição mas sim experimentando Seu cuidado no nosso dia-a-dia, Sua atenção aos pormenores de nossa vida de forma dinâmica. Não ha muita importância em falar de sua bondade mas a ênfase é posta em Sua compaixão para com o homem individualmente.”(Heschel, p. 21). Em outras palavras, D-us não é “conhecido” no abstrato, mas em situações específicas em que Ele afirma-se como D-us sobre a vida de cada um. D-us é o que Ele se revelou, não o que teorizamos a Seu respeito. Vemos Sua interação com o povo de Israel por milhares de anos baseado em experiências tangíveis na vida de indivíduos.
      Se quisermos entender a Bíblia, e o que significa ser um seguidor de Yeshua ha Mashiach (Jesus, o Messias), então teremos que entende-la Hebraicamente, não Helenisticamente. Isso vai exigir uma mudança de paradigma filosófico e intelectual de nossa parte, isso vai significar abordar as escrituras a partir de um ângulo totalmente diferente.
Heschel também escreve: “Os gregos aprendiam a fim de compreender. Os hebreus aprendiam a fim de reverenciar. O homem moderno aprende a fim de usar” (ibid., p. 34).
 Autor: Brian Knowles
Tradução: A S A

“Todos os fiéis são convidados a boicotar Israel”

Várias organizações cristãs que apóiam a causa palestina aproveitam o espírito natalino para  difamar Israel, incluindo a conhecida difamação “Os judeus mataram Jesus”.

Por Maayana Miskin

Traduzido por A.S.A.

Publicado em: 2012/12/21.

Fonte em inglês:

http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/163421#.UNR5k6Vhraq

Um novo relatório de uma ONG que monitora várias organizações cristãs que apóiam a Autoridade Palestina revela que essas organizações estão usando o Natal para atacar Israel. Propaganda enganosa usando meias-verdades que visam retratar Israel como opressivo, uma propaganda  descaradamente anti-semita, baseado em acusações históricas cristãs de que judeus são assassinos de profetas, disse o grupo.

O relatório, intitulado, “O Boycott All ye Faithful” – “Todos os fiéis são convidados a boicotar

392483

Israel”,  criticou grupos, incluindo “Christian AID”, “Sabeel,” “Palestina Kairos,” Missão Israel e Paslestina – “Israel and Palestine Mission Network,” e Igreja Presbiteriana (EUA)- Presbyterian Church (USA).

A Igreja Presbiteriana (EUA) publicou um devocional natalino onde mostrava uma imagem Maria e José, pais de Jesus, presos atrás de uma parede em estilo barreira de segurança que Israel construiu entre Belém e Jerusalém. No inicio do comentário eles comparam Israel aos Romanos, brutais opressores de Israel na época de Jesus.

Ainda nesse devocional o reverendo Richard Toll escreve: “Jesus viveu sob o império romano que tinha recentemente ocupado Israel, eram muito cruéis com qualquer um que se atrevesse a resistir à ocupação … Quando olhamos para a complexidade das questões da Palestina / Israel, hoje, estou impressionado com uma sensação de que a historia está se repetindo”. Em sua mensagem também incluiu um aviso aos “colaboradores”, ele disse que os cristãos devem expor os “tais colaboradores” de Israel, considera ainda “colaboração” com Israel na luta contra o terrorismo um crime digno de pena de morte. Nesse mesmo devocional há extremas críticas contra Israel, alguns sugerindo que a moderna Autoridade Palestina são árabes como Jesus, enquanto Israel é comparado aos romanos que o matou.

A mensagem de Natal anual de Sabeel compara Israel ao Império Romano, e produz uma mensagem de vídeo apresentada pela Igreja Evangélica Luterana na América.

Grupos, com base na Inglaterra e Irlanda – Amos Trust, Christian Aid, e campanha Irlandesa de Solidariedade para a Palestina. Usam imagens ou textos que mostram barreiras de segurança construídas por Israel, comparando “palestinos” com valores do cristianismo primitivo. Amos Trust, por exemplo, escreveu: “Se Jesus nascesse hoje em Belém, os Reis Magos gastariam várias horas na fila para entrar na cidade.”

Esse barreira mencionada foi construída para parar uma onda brutal de ataques suicidas contra civis israelenses. Jerusalém, a poucos minutos de Belém, foi atingida por dezenas de ataques assassinos que dizimaram centenas de pessoas. Vários dos agressores eram de Belém, entre eles um homem-bomba se explodiu próximo a estudantes do ensino quando iam para a escola, matando e ferindo várias dezenas. Sem nenhuma surpresa, a questão do terrorismo em Belém não foi nem mencionada por qualquer das organizações.

“As ONGs e conhecidas instituições de caridade estão explorando a época do Natal 2012 com campanhas anti-Israel… A ênfase repetida em Belém destaca a teologia obscura dessas igrejas e instituições”, diz o relatório.

“Com esse abuso das festas natalinas e símbolos da fé religiosa, essas ONGs e instituições de caridade que pretendem promover agendas morais não estão oferecendo mensagens de paz e bom ânimo. Em vez disso, suas mensagens intolerantes de interpretação teológica exacerbam um conflito já polarizado e violento” conclui o relatório.

Muitos desses grupos ofensivos são financiados pela União Européia e governos europeus. Sabeel é financiado pela Suécia, Christian Aid  pelo Reino Unido, Irlanda, Noruega e União Européia.

“Como financiadores, esses governos que viabilizam a existência de tais tem grande responsabilidade moral para as ações dessas ONGs,” declarou o monitor das ONGs.

Mente Hebraica x Grego/Romana Parte 2

Continuação

Principais diferenças entre mente Grego-Romana e Hebraica.

GR – A vida é analisada em categorias precisas.

H – Toda a vida se mistura em todos aspectos.

GR – Uma divisão clara entre o natural e o supernatural

H – O supernatural afeta toda a vida.

GR – Lógica linear.

H – Lógica em bloco e ciclica.

GR – Individualismo

H – Importância em ser parte do grupo

GR – Igualdade das pessoas

H -Valor vem de um lugar em hierarquias

GR – A concorrência é boa

H – A competição é mal (melhor cooperação)

GR – Universo é centrado no homem

H – Universo é centrado em D-us-tribo-família

GR –  Valor da pessoa com base em dinheiro-bens materiais-poder

H – Valor derivado das relações familiares

GR – Vida biológica é sagrada

H – A vida social extremamente importante

GR – Aleatoriedade + causa & efeito determinam o que acontece na vida

H – D-us causa tudo em seu universo

GR – Homem domina natureza através da compreensão e aplicação das leis da ciência

H – D-us domina tudo, portanto, relacionamento com Ele determina o resultado dos acontecimentos.

GR – Poder é obtido por meio dos negócios, da política e influências.

H – Poder social é resultado de padrões pré-ordenados por D-us.

GR – Tudo o que existe é o material

H – O universo está repleto de seres espirituais poderosos

GR – O Tempo é linear e dividido em segmentos precisos. Cada evento é um novo acontecimento.

H – O Tempo é cíclico. Eventos similares constantemente reaparecer, (O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol. Ecl 1:9)

GR – A História grava fatos objetivos e cronológicos.

H – A história é uma tentativa de preservar verdades significativas de forma significativa e memorável, não necessariamente fatos são  objetivos.

GR – Orientação para o futuro próximo.

H – Orientação para as lições da história.

GR – A mudança é progresso = bom.

H – A mudança é ruim = destruição das tradições.

GR – Universo evoluiu pelo acaso.

H – Universo criado por D-us.

GR – Universo é dominado e controlado pela ciência e tecnologia

H – D-us deu ao homem domínio sobre sua criação mas haverá  Prestação de contas a D-us.

GR – Bens materiais = medida de realização pessoal.

H – Bens materiais = bênção de D-us para ser compartilhado com outros.

GR – A fé cega

H – A fé é baseada no conhecimento – experiência pessoal e em grupo

GR – Tempo como pontos em uma linha reta, inicio-meio-fim (“neste momento no tempo …”

H – Tempo determinado pelo conteúdo (“No dia em que o Senhor fez …”)

Autor: Brian Knowles

Tradução: Adivalter Sfalsin

Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o SENHOR pesa o espírito.

Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o SENHOR pesa o espírito.
(Provérbios 16:02).

Como regra, as pessoas não fazem nada que acreditam ser errado. Aqueles que fazem o mal de alguma forma está convencido de que o que fazem é certo. Justificam-se com racionalizações engenhosas.

Se nossa mente é tão suscetível ao engano e no iludimos a respeito do que é errado é certo, o que podemos fazer para prevenir esse comportamento impróprio? Salomão fornece a resposta: Compartilhe com o SENHOR as tuas obras e planos, e teus pensamentos serão estabelecidos.
Provérbios 16:3
A distorção é maior quando a motivação é: “O que eu quero” Se deixarmos de lado o grande “EU”, e incluir: “O que Deus quer” a possibilidade de distorção encolhe dramaticamente.
Embora não ainda haja uma distorção no último caso, não se pode dizer que a distorção está completamente ausente. Algumas pessoas têm idéias estranhas sobre o que Deus quer.
No entanto, se tentarmos conhecer a vontade do Senhor antes de qualquer decisão haverá uma possibilidade menor de errar. Uma boa sugestão é consultarmos pessoas piedosas, sabias e tementes ao Senhor, outra é buscar conhecer o caráter do Senhor nas escrituras. Cuidado com os que dizem, o “Senhor me disse” o “Senhor me revelou” “estou sentindo da parte de Deus”. Esses sinais podem ser verdadeiros mas infelizmente o uso abusivo desses termos banalizou o verdadeiro temor ao Senhor. Apesar de não ser infalível, há pelo menos uma chance de escapar das distorções de racionalização que são dominantes quando se procura satisfazer principalmente a si mesmo.

Adivalter Sfalsin

Mente Hebraica x Grego/Romana Parte 1

Mente Hebraica x Grego/Romana Parte 1
A Bíblia no original é, humanamente falando, um produto da mente hebraica. A primeira manifestação original do que hoje chamamos de “Igreja” foi também uma expressão da mente hebraica. Em algum ponto na história eclesiástica, alguém abandonou o projeto inicial dentro do contexto hebraico comum aos dias de Jesus e o substituiu por um não-hebraico, precisamente Grego/Romano. Como resultado, o que foi construído desde então tornou-se uma caricatura do que se pretendia. Em muitos aspectos tornou-se antagônica aos milênios de historia, cultura e tradição oral herdada por gerações anteriores.
Vamos analisar algumas das diferenças fundamentais na mentalidade dos hebreus dos tempos bíblicos em contraste com a forma helenística (grego-romana) de pensar que deu surgimento a maior parte da teologia cristã.
William Barrett, explica diferenças fundamentais entre a mente Hebraica e Helenística: Fazer x Saber. Diz Barrett, “A distinção … é decorrente da diferença entre o fazer e o saber, a Hebraica está preocupada com a prática do comportamento correto que é de suma relevância, em contraste, a Helenística se preocupa com o conhecimento, o saber tem relevância sobre o fazer. Sendo assim a Hebraica exalta as virtudes morais como uma substância superior para uma vida significativa, e a Helenística exalta as virtudes intelectuais, o contraste é entre a prática e a teoria, entre o homem moral e o homem teórico-intelectual.
Isso talvez ajude a explicar o por que para muitas igrejas cristãs seu foco está nas questões ortodoxas doutrinaria, o número de denominações cristãs que existe é uma prova concreta disso. Todas crêem nos mesmos princípios básicos mas divergem e se separam ao ponto de não terem comunhão pelas mínimas diferenças doutrinarias, mostrando que a “doutrina correta” e mais importante do que comunhão com um irmão de uma persuasão diferente da sua.
No judaísmo bíblico, é justamente o oposto. Como Dennis Prager escreveu: “… a crença em D-us e o agir eticamente deve ser indissociáveis, indispensável… D-us exige um comportamento correto mais do que qualquer outra coisa, incluindo liturgia a crença correta.”
Foram cristãos gentios influenciados pela filosofia grega que intelectualizaram e sistematizaram a doutrina cristã. O pior de tudo e que eles mudaram essa doutrina de forma radical. Os hebreus dos dias de Jesus e logo a seguir a era apostólica da Igreja não tinham teologia formal ou sistematizada. A “igreja primitiva” não tinha hierarquia arraigada ou magistério por meio do qual toda a doutrina tinha de ser filtrada e aprovada.
O que os apóstolos ensinavam sobre um determinado assunto era aprendido diretamente de Jesus, aprendido com as tradições orais e experiências coletivas do povo judeu. Eles determinavam Halakha (como andar) diretamente das interpretações dos mestres em suas comunidades. A medida que as circunstâncias mudavam eles recorriam a interpretação da Torá (Pentateuco) e determinavam a ação a ser tomada (Halakha) (cf. Mateus 18:18). Atos 15 fornece um relato de como, no mínimo, um ensinamento sobre requisitos para crentes gentios foi formado por volta de 50 DC. Observe a natureza participativa da discussão, todos os membros da Igreja participaram (Atos 15:4,12,22), e não apenas uma elite estava envolvida nas decisões.
Em círculos cristãos tradicionais muitas vezes é mais importante acreditar e abraçar “a coisa certa ou doutrina correta”, do que viver da maneira certa. Alguns são obcecados com credos, declarações doutrinais, teologia sistemática e ortodoxia contra a heresia, esse modo de pensar é 100% helenístico.
Para muitos de nós, ocidentais, a mentalidade hebraica é tão estranha e impossível de compreender que ao estudar as escrituras hebraicas rapidamente pulamos de volta para a zona de conforto do molde helenístico. Naturalmente ao tentarmos interpretar o texto hebraico com nossa ótica ocidental (helenística) de interpretação consequentemente será no mínimo distorcida. Note que a maior parte do velho testamento foi escrito em hebraico e há fortes indícios de que os evangelhos foram originalmente escritos em hebraico e depois traduzidos para grego, de qualquer forma todos os livros do novo testamento foram escritos por judeus, portanto foram escritos por pessoas que pensavam de forma hebraica apesar de terem usado outra língua (grego).
Por exemplo, em termos de tempos “proféticos” aqui novamente mostra-se o conceito helenístico de tempo – Inicio-meio-fim – pontos numa trajetória linear. Queremos saber a ordem sequencial quando D-us vai agir, criamos um cronograma pré-ordenado dos acontecimentos e queremos eliminar os eventos do nosso “calendário profético” a medida que eles vão acontecendo. Essa mentalidade é alienígena para a mente hebraica, para ela, não interessa a seqüência exata dos acontecimentos, o que interessa é que D-us vai agir, a leitura do tempo é cíclica e não linear.
Na teologia ocidental, às vezes abandona-se a interpretação literal das Escrituras em favor de interpretações alegóricas. Isso também é tipicamente grego-romano. Interpretação alegórica abre portas para uma infinidade de exposições “criativas” que deixam o estudante das Escrituras confuso e desorientado.
Autor: Brian Knowles
Tradução: A S A

Salmos 51:5

“Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim”. Salmos 51:3

Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.

Salmos 51:5

Nesse Salmo David abri o coração e implora ao Senhor por perdão por seu relacionamento ilícito com Bate-Seba.

Ao Davi afirmar que foi “formado em iniquidade”, ele não quer dizer que seus pais tiveram uma relação ilícita ao concebe-lo mas sim que nasceu com traços em seu caráter de intensa paixão. Nesse salmo de confissão ele assume suas tendências humanas, assume total responsabilidade por seu comportamento, mesmo tratando-se de característica hereditária. Ele não tenta se justificar mas busca tão somente o perdão. Pequei! Sou culpado, me perdoe!

Que pensamento refrescante! Essa atitute é sublime e admirável. Quão diferente dos ensinamentos da psicologia moderna onde os pais muitas vezes são usados como bode expiatório para justificar o mau comportamento dos filhos. O que dizer então do argumento de que a pessoa foi vítima de experiências passadas que distorceram seus valores e portanto não deve responsável  por suas ações?  Argumentos esses que tentam esquivar o autor de qualquer maldade social de sua responsabilidade. Numa era onde os “direitos humanos” são usados para justificar todas as barbaridades grosseiras do caráter humano e defeituoso, ao mesmo tempo desprezando o direito da vitima, esse atitude de Davi tem muito a nos ensinar.

 
Esse salmo instrutivo nos ensina o arrependimento sincero (Em Hebraico: Teshuvá). Muito simples: você errou? Assuma o teu erro, volte ao princípio (seu caráter humano), não procure alguém para culpar e arrependa-se. Isso é que o Senhor espera de você. 
 
 
A De Assis