Olhando para o Futuro

Salmos 71:1-9
Em ti, SENHOR, confio; nunca seja eu confundido.
Livra-me na tua justiça, e faze-me escapar; inclina os teus ouvidos para mim, e salva-me.
Sê tu a minha habitação forte, à qual possa recorrer continuamente. Deste um mandamento que me salva, pois tu és a minha rocha e a minha fortaleza.
Livra-me, meu Deus, das mãos do ímpio, das mãos do homem injusto e cruel.
Pois tu és a minha esperança, Senhor DEUS; tu és a minha confiança desde a minha mocidade.
Por ti tenho sido sustentado desde o ventre; tu és aquele que me tiraste das entranhas de minha mãe; o meu louvor será para ti constantemente.
Sou como um prodígio para muitos, mas tu és o meu refúgio forte.
Encha-se a minha boca do teu louvor e da tua glória todo o dia.
Não me rejeites no tempo da velhice; não me desampares, quando se for acabando a minha força.

Nesse versículo a palavra hebraica para “Não me rejeites” é (שָׁלַךְ) “Shalak” é usada 125 vezes com três significados básicos, que são:

1- lançar, jogar fora
2- ser lançado
3- ser derrubado

No início do salmo o salmista descrever o relacionamento outrora favorável de D-us, podemos supor que, no passado, ele se sentiu não apenas perdoado e apoiado, mas também favorecido.
A vida era boa, cheia de propósito, satisfatória e o mais importante, agradável ao Senhor. Agora, por razões desconhecidas a maré mudou. Agora ele se sente rejeitado, perdido ou pior, ignorado. Antes D-us sorriu para ele, agora seu D-us está visivelmente ausente.
Observe quem é o ator neste drama, não é o salmista. Ele é o receptor passivo; D-us é o ator. “Sua raiva”, “Você me levantou”, “Você me jogou fora.” Ainda vítima de inexplicáveis ​​represálias divinas, este resumo diz tudo. “Não sei o que fiz de errado. Tudo parecia estar bem com o Senhor e comigo. Agora, de repente, o Senhor se voltou contra mim.”
Tudo isso deve soar familiar, talvez seja pessoal para você, esteja certo que não está sozinho nesse sentimento. No livro de João 9:1-3 lemos sobre o mesmo trauma emocional, embora com outro personagem.
“E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença.
E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?
Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus.”

Os discípulos assim como o salmista perguntam; “O que esse homem ou seus pais fizeram para merecer tal punição?” Eles presumem que a cegueira desse homem é o resultado de punição, então deve haver algum pecado terrível por trás disso. O salmista faz a mesma suposição: “Minha vida é jogada fora como lixo. O que eu fiz errado?”
O salmista procura alguma resposta e não obtém nenhuma. O cego também não teve resposta, até que Yeshua redirecionou o olhar do passado para o futuro. O relevante não é o que aconteceu mas sim o que resultará disso.
Como os discípulos, queremos atribuir culpas. Como no caso de Jó e do salmista ambos alegam inocência. A resposta à pergunta não é culpa, mas propósito. Não podemos mudar o passado, virou história, mas podemos mudar o futuro, tudo depende de nossa atitude no “agora”.
Devemos dizer: ”Senhor, eu não sei por que está fazendo isso, mas Senhor conheçe a razão, eu confio no Senhor. “Não é tão fácil dizer, não é?

Autor: A Sfalsin

Fonte de pesquisa: Skip Moen, D. Phil. Kaiser, W. C. (1999) R. L. Harris, G. L. Archer Jr., & B. K. Waltke (Eds.), Theological Wordbook of the Old Testament (electronic ed., p. 600)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.